Avatar

On Air

Jazz Faz Tarde Jazz Faz Tarde / 23:00 - 24:00

No início dos anos 50, o pequeno Manuel António, então com 7 anos, escrevia os primeiros versos. Também costumava sentar-se à mesa com um livro aberto em frente ao prato da sopa e era repreendido por isso. Assim começou uma relação com as palavras, essas crianças grandes, que, com o tempo, se transformou em intimidade e coincidência. Na verdade, essa relação foi uma história de amor, a história de uma vida de palavras, como se fosse um livro, literatura.
Da autoria de Álvaro Magalhães, talentoso escritor que muito bem conheceu Manuel António Pina, Para Quê Tudo Isto? é a biografia do criador, que, ao longo de trinta anos, ergueu uma das maiores e mais originais obras literárias do seu tempo. Mas também nos dá a ler a sua personalidade singular e cativante, o que inclui a arte de faltar a obrigações, ou, pelo menos, chegar atrasado, a disponibilidade para a brincadeira e o riso, o humor desconcertante, a genuína bondade, o talento supremo para a conversa, o lado irascível e furioso ou o insaciável desejo de infância, que correspondia a uma necessidade de recuperação do estado puro do mundo. Sem esquecer as suas facetas mais ignoradas, como as de professor, advogado, guionista, publicitário, ator de teatro, praticante de artes marciais, revolucionário, adepto de futebol ou jogador de póquer.
E, pairando sobre tudo isso, a pergunta que sempre o acompanhava, «uma pergunta numa cabeça,\como uma coroa de espinhos»: «Para quê tudo isto?»
«Ser criança é próprio do homem e escrever para crianças é, no fundo, escrever para aquilo que há de mais humano no próprio homem.»
«Para ele, as palavras eram bem mais do que signos, eram “seres deste mundo, insubstanciais seres, incapazes também eles de compreender, falando desamparadamente diante do mundo”. (…) E as palavras, todas as palavras, adoravam-no – e voavam, deslumbradas, para ele.»
«O Torga nunca me interessou. A sensação que tinha quando lia aquilo era: “Isto é tão fácil.” É uma máquina de fazer poemas. É só carregar num botão. São soluções muito fáceis. O herdeiro daquele tipo de poesia é o Manuel Alegre. Não é poesia mal acabada. Não se pode desprezar. Mas tem soluções muito fáceis. É tudo muito óbvio, até em termos formais.»
«Como o plano da proximidade afetiva falhara, José Sócrates recorreu ao método clássico da compra. E ofereceu a Pina um cargo público de prestígio e bem remunerado: um lugar na administração da Casa da Música. Ele recusou amavelmente, sem hesitação e sem mágoa. Foi uma das decisões mais rápidas e fáceis que tomou na vida. E foi para casa tomar apontamentos para um poema, buscar assunto para a crónica desse dia.»
«Há qualquer coisa inteira, intacta, pura, que os animais (e as crianças, claro) nos transmitem. Cada gato é uma oportunidade de interiorização e sabedoria posta pelo mistério à nossa disposição.»
Manuel António Pina

Martin Quenehen e Bastien Vivès são os responsáveis pela continuação das aventuras do marinheiro criado por Hugo Pratt. Esta não é a primeira vez que Corto Maltese regressa depois da morte de Hugo Pratt. Antes tivemos três aventuras idealizadas pelos espanhóis Rubén Pellejero e Juan Diaz Canales. Esta nova dupla remete as aventuras de Corto Maltese para o início do nosso século, concretamente no ano 2001. Corto Maltese tem por missão de conduzir alguns pistoleiros a um barco de recreio que se encontra noalto mar. O que parecia um roubo vulgar complica-se e transforma-se numa aventura extraordinária, que levará Corto a percorrer vários continentes em busca de um tesouro que só pode existir na sua imaginação.

Villagers é uma banda de folk indie irlandesa de Dublin , fundada em 2008 por Conor J. O'Brien. Fever Dreams é o quinto albúm de estúdio da banda.
Escritas ao longo de dois anos, os sons principais das canções foram gravados numa série de sessões de estúdio no final de 2019 e início de 2020. Ao longo dos longos e lentos dias da pandemia, O'Brien foi aprimorando esses sons, no seu estúdio em cas, nacidade de Dublin, e o álbum foi produzido por David Wrench.
O'Brien disse sobre a gestação de Fever Dreams: “Tive vontade de escrever algo que fosse tão generoso para o ouvinte quanto para mim mesmo. Às vezes, os estados mais delirantes podem produzir os sonhos mais extáticos e eufóricos.

 

 

Coplas del Ciego é o quinto album gravado por Luis Pastor. Original de 1983, o disco foi agora remasterizado, vai ser distribuido com a edição deste fim de semana do jornal El País. O disco contou com a colaboração de Luis Mendo, Paco Villar e Miguel A. Campos. Os temas, passados estes anos, ainda se encontam actuais. Nos anos 80, Luis Pastr tocou estes temas na televisão espanhola, oque levou à emissão do então diretor de programação da RTVE.

Pág. 5 de 13

VOZ ONLINE é o nome da rádio licenciada pela Associação Voz Online Rádio - ARDVOZ.

  •  

Registo na ERC nº 700077
  •  
    spotify6  google podcast