Seis anos após a fundação, os Fogo Fogo lançam um álbum de originais marcado pelos ritmos do funaná. O grupo surge da vontade de um grupo de músicos: Francisco Rebelo (baixo), João Gomes (teclas), Márcio Silva (bateria), Danilo Lopes e David Pessoa (vozes/guitarra), juntamente com a Casa Independente, para mais um contributo à manifesta cultura crioula que fervilha pela cidade de Lisboa. Unidos pela vontade de celebrar os ritmos do funana com outros estilos dançantes e transformar a pista numa explosão de alegria. Revisitando velhas pérolas da música cabo-verdiana, só para adoçar; êxitos dos Bulimundo, Os Tubarões, Simentera, entre outras bandas, tudo isto combinado com outros heróis africanos da herança psicadélica (difícil não evocar neste melting pot, a lenda viva de Sir Victor Uwaifo) e todos os meses o reportório muda.
"Fladu Fla” é o primeiro disco de originais dos Fogo Fogo depois de editados três Eps. “Fladu Fla” sugere-nos um olhar telúrico através de alguns costumes e expressões Cabo-verdianas. A capa do disco é da autoria de Vhils.

242071051 3058410487749114 4735335751419716471 n

«Uma viagem necessária para a redenção, depois da queda.» É desta forma crua e sincera que Ana Bacalhau define o seu segundo álbum em nome próprio, intitulado “Além da Curta Imaginação“, e que já está disponível nas lojas e plataformas digitais.
Este é um trabalho inevitavelmente pessoal e intimista, gravado entre Janeiro e Outubro de 2020, refletindo, por isso, a longa e penosa jornada que a pandemia impôs. Há um disco antes da pandemia e outro depois da pandemia: o alinhamento espelha isso mesmo, elencando as canções por ordem cronológica de gravação.
O título parte de um verso da canção “Tudo de bom”, de Nuno Prata, a última do alinhamento, sendo a frase que encerra o disco.

A cantora francesa Zaz está de volta, com o seu quinto álbum de estúdio, intitulado “ISA”.
Três anos depois do último disco, “Effet Miroir”, Zaz conta que o isolamento social a incentivou a produzir o novo trabalho, durante o “período que realmente sacudiu a cantora”. “Eu precisava ficar mais calma, quase me ausentar. Isso não foi o que fiz nos últimos dez anos, é um paradoxo”, diz ela.
Com 13 canções no repertório, “ISA” traz como produtor o holandês REYN e teve alguma das faixas gravadas na própria casa de Zaz, em Bruxelas, e no sul da França, em Provence. Ela mostrou, em publicações na internet, passo a passo a produção, as gravações de making of, numa série intitulada “Le Journal d’Isa” no Youtube.
“É um novo ciclo. Eu finalmente compreendi o meu lado adulto. O que eu experimentei ao longo destes últimos anos foi smuitissimo enriquecedor.
A certa altura a cantora conta que “desejei que a Zaz morresse. Zaz, a figura pública, a performer, o nome artístico que ocupou todo o espaço, deixando pouco para a ‘Isa’. Passei dez anos projetando energia à minha volta e por todo o mundo, foi uma jornada diferente a que comecei desta vez, em que me dediquei totalmente a olhar o meu interior. Então fez sentido que este álbum devesse se chamar ‘ISA’!”(uma contração de Isabelle, o nome verdadeiro da artista).

 
“Manoel”, o quarto LP dos Sensible Soccers, gravado na Arda Recorders e coproduzido pela banda e João Brandão, resulta do trabalho da criação de duas novas bandas sonoras para dois filmes de Manoel de Oliveira: "Douro, Faina Fluvial" (1931) e "O Pintor e a Cidade" (1956). O Universo Oliveriano e a forma como o realizador olhava o Porto - a sua cidade, tão bem retratada nestas obras - funcionaram como pauta para o ritmo e ambiente de uma série de composições que serão apresentadas em formato cine-concerto, em diálogo com os filmes. Este diálogo assume diferentes contornos ao longo do caminho: por vezes a música passeia no cinema, ao seu passo e no seu tempo, como vento pelas costas. Outras vezes invade-o, impondo uma nova leitura, qual vendaval hostil. A memória – desta feita, a da(s) cidade(s) - volta a ser mote fundamental. É desta série de composições – algumas revistas, outras aumentadas, outras ainda transfiguradas ou mesmo irreconhecíveis - que nasce “Manoel”, fazendo o seu próprio caminho, para lá das imagens. O resultado são 10 temas com identidades muito diversas, que vão do ambiental ao techno, passando pelo jazz ou pelo dub, num jogo de alternâncias – tão apanágio dos Sensible Soccers – entre a luz pop e a melancolia ou o experimentalismo.
 
Produzido por Sensible Soccers e João Brandão;
Gravado e misturado por João Brandão na Arda Recorders, Porto.
Masterizado por Miguel Pinheiro Marques na Arda Recorders, Porto.
Assistido por Bárbara Santos.

André Simão: baixo, guitarra, bateria, sintetizadores, teclados e percussão;
Hugo Gomes: sintetizadores, teclados, drum machine e programações;
Manuel Justo: sintetizadores e teclados;

Jorge “Cientista” Carvalho: percussão;
Sérgio Freitas: piano, sintetizadores e teclados;

Fernando Ramos: saxofones soprano, alto e tenor;
Miguel Teixeira: flauta transversal.
Pág. 6 de 41