DISCOCRACIA 24 -  (“UMA NOITE NO ESPAÇO”) -  Dia 13/07/2018

Em 4 de Outubro de 1957, a União Soviética lançou o Sputnik 1, o qual se tornou o primeiro satélite artificial a orbitar a Terra. O primeiro voo espacial tripulado ocorreu na missão Vostok 1 em 12 de Abril de 1961, na qual o cosmonauta soviético Yuri Gagarin executou uma órbita ao redor da Terra.
Depois deste feito empreendido sob as ordens da União Soviética, foi apelidado de "Colombo do Cosmos". As suas impressões sobre aquilo que viu e presenciou a bordo da Vostok 1, deixam transparecer palavras cheias de poesia, beleza, relacionadas com o escuro do céu e as suas estrelas cintilantes.
Com Yuri Gagarin transformado em herói nacional, os norte-americanos tiveram de aceitar a ideia de que os russos os tinham ultrapassado na corrida ao espaço.
O presidente Americano Donald Trump, ordenou recentemente a criação de uma nova "força espacial", prometendo não só o "domínio americano" na exploração da Lua e de Marte, mas também numa eventual guerra pelo espaço. Os "Estados Unidos serão sempre os primeiros no espaço “afirmou”. 

Trump, que não especificou os detalhes nem o papel específico desta força espacial, insiste no desenvolvimento do setor espacial desde que chegou ao poder. Fez aumentar o orçamento da Nasa, e em dezembro último ordenou que a agência espacial americana volte à Lua pela primeira vez desde 1972 e que prepare missões a Marte.
O setor espacial americano está em alta, mas a Nasa mudou o seu papel em relação à época das missões Apollo. gora é mais um cliente, que um operador. Desde 2012, que a agência tem um contrato com duas empresas, SpaceX e Orbital ATK, para aprovisionar a estação espacial internacional. Não envia astronautas desde 2011, e depende das naves russas Soyuz.
A corrida pelo domínio do Cosmos promete novos desenvolvimentos, mas… o que eles não sabem nem sonham, é que o sonho, é tela, é cor, é pincel, é retorta de alquimista, mapa de mundo distante, caravela quinhentista, passarela voadora e é desembarque em foguetão na superfície lunar, em busca de outras “estranhas formas de vida”.
Emissão para viajar e explorar, em total liberdade, a imensidão do espaço Sideral.

O “Nosso”!!!

UTURE SOUND OF LONDON – LIFEFORMS (1.32:19) 
Lançamento Vinil: 25 Janeiro 2018 / Label: Universal Music
Originalmente editado em 1994

Os anos 90 foram palco para inúmeras investidas pelos territórios da música electrónica. Mais do que procurar apenas texturas ou novas encenações para a exploração de padrões rítmicos assimilados entre as mais recentes tendências da música “de dança”, exploravam-se as potencialidades das novas tecnologias num processo que abarcou, para além da música, a criação de imagens e também a exploração de novas linhas de transmissão de som a grande distância. 
Os Future Sound Of London (FSOL), um duo constituído por Gary Cobain e Brian Dougans foram um entre os mais ativos pólos de experimentação das electrónicas na primeira metade dos noventas, formando com nomes como os de Pete Namlook, The Orb ou Aphex Twin, um espaço de invenção que então deu frutos e cativou atenções.
Lifeforms, editado em 1994, é um clássico maior das electrónicas dos anos 90. O disco acaba de conhecer, finalmente, uma edição em vinil.
É um disco duplo, feito de uma sucessão de quadros interligados e formas em permanente evolução. O álbum acolheu colaborações de figuras como Elisabeth Frazer (dos Cocteau Twins), Toni Halliday (dos Curve), Robert Fripp (The King Crimson) ou Talvin Singh produtor e compositor ligado à electrónica e ao Trip Hop.


XOR Gate – CONIC SECTIONS (30:30) 
Lançamento: 13 Abril 2018 / Label: Tresor

E após estas estranhas formas de vida, vamos ficar nos próximos 30 minutos e meio com XOR Gate, isto é com o electro Gerald Donald.
Gerald que é mais conhecido no duo Drexciya, e ainda através dos seus apelidos Dopplereffekt e Arpanet, une-se novamente ao selo Tresor para o seu álbum de estreia como XOR Gate. 
Composto por oito "temas" misturados numa só faixa, Conic Sections é uma visão de paisagens sonoras eletrônicas futuristas. Toda a orientação do groove parece encaminhar-se nesse sentido, mas as sequências navegam no Espaço sem necessidade de apoio terrestre. Quase toda a acção em “Conic Sections” é concentrada na ilustração fictícia de momentos-chave de descobertas científicas, colorindo o som apenas o suficiente, sem excessos. Pura emoção sintética, se tal for concebível, soa por vezes a Kraftwerk.
Conic Sections, é um excelente disco de electro, sem ter uma única batida.

 

VOZ ONLINE é o nome da rádio licenciada pela Associação Voz Online Rádio - ARDVOZ.

Todos os direitos reservados.

 

 

 

 

 

 Registada na ERC com o nº 700077

Rua Febo Moniz, nº 13, r/c
1150-152 Lisboa
© 2017 ARDVOZ - ASSOCIAÇÃO RÁDIO VOZ ONLINE

Please publish modules in offcanvas position.